sábado, maio 25, 2013

Fim de ciclo de um curso e uma ideia alternativa

Na Universidade do Minho em Guimarães no Departamento de Engenharia Textil há 30 anos atrás, 1983, os professores eram jovens e os alunos também. Agora, os professores não são novos e os alunos também o não são, se considerarmos a média normal de idades dos alunos universitários. Que situação! Os professores, muitos a caminho da reforma, e nenhuns com menos de 45 anos, os alunos são do curso pós-laboral já com as suas vidas organizadas durante  dia, com pouco entusiamo para ouvirem a teoria da que se ensina no curso, ansiosos por aprenderem coisas práticas e novas. Portanto que conclusão tiramos do curso? É um fim de ciclo. O que os professores têm, ou pelo menos alguns, é experiência e neste ramo não há muitos que tenham essa experiência combinada de tecnologia e ciência.
A partir de agora, o ensino terá que ser de outra forma, mais personalizado, com os professores a transmitirem os seus conhecimentos com base na sua experiência, não através de um curso já esgotado, mas tem que ser de uma forma diferente. O reduzido número de alunos presta-se a isso. Se cada professor tomasse nas suas mãos o ensino e orientação pedagógica e científica de 5 alunos, cobrir-se-ia dessa forma todos os alunos de engenharia textil. O aluno podia ter os dois primeiros anos de ensino geral, e a partir daí ficaria a estudar só com um professor. Os professores deviam ser escolhidos entre os mais experientes em termos de projetos de I&DT e de PSECS, e estabelecer o ranking. Ao esgotar os alunos os restantes professores ficariam sem alunos mas com outras tarefas, e com a obrigatoriedade de estabelecer contactos com a indústria e de se candidatarem a projetos de IDT par ganharem experiência tanto industrial como científica. Poderiam também fazer parte do grupo dos professores mais experientes e coadjuvá-los.
Aqui fica a ideia.

Nenhum comentário: